domingo, 19 de abril de 2015

Associação dos Engenheiros da Petrobras começa a reconhecer má gestão do Governo Federal

Desde que estourou os escândalos administrativos na Petrobras, a partir da investigação da operação ‘Lava Jato’ a mídia eletrônica da Associação dos Engenheiros da empresa vinha poupando críticas ao Governo Federal.
A mudança de atitude começou logo após a demissão da presidente da petroleira, quando a entidade classista divulgou que o substituto deveria ser alguém que conhecesse o setor, mas a presidente Dilma Vana Roussef escolheu o ex-presidente do Banco do Brasil.
Na edição da quinta-feira (17/4) newsletter dá espaço a um dos principais adversários do Partido dos Trabalhadores, quando Rogério Lessa escreve repercutindo discurso de um dos parlamentares do PSDB, o senador paranaense Roberto Requião.
O título do texto é sintomático: - Brasil não pode seguir a sina da maldição do petróleo. Requião defende a manutenção da legislação que garante a empresa como operadora única do pré-sal e o regime de partilhado, bandeiras que o PT também apóia.
Apenas uma pequena área do pré-sal foi prospectada, mesmo assim já foram descobertas reservas de 80 bilhões de barris. A projeção de técnicos da empresa é que as reservas de toda a área do pré-sal ultrapassem 300 bilhões de barris, equivalente às reservas conhecidas da Venezuela e Arábia Saudita, as maiores do planeta.

Petros
Na mesma edição Paulo Brandão, do Conselho Deliberativo da Petros, enfatiza o que todo o Brasil já sabe e os profissionais de engenharia da Petrobras custaram a reconhecer ou não admitiam publicamente: “Economia estagnada, dívidas não quitadas e má gestão por influência político-partidária são as causas do déficit.”
Ele enumera, classifica e resume os problemas do fundo de pensão da Petrobras em tres premissas: econômica (taxas de juros, indexador dos benefícios, risco INSS, custeio administrativo, mais inflação e taxa de crescimento); biométrica (refere-se ás questões de individualidade do petroleiro) e as premissas genéricas, que envolve, inclusive, a família. (JVJ)





Nenhum comentário:

Postar um comentário