segunda-feira, 30 de abril de 2018

Ex-prefeito e ex-deputado analisa a política local


A importância do governador e da oposição definir ou não a chapa majoritária

*Ionas Araújo

A tática política do Governador Robinson Faria (PSD), de deixar em aberto até o presente momento à formação da chapa majoritária que concorrerá às eleições estaduais de outubro do ano corrente está corretíssima, pois não é o governo que deve se antecipar no anúncio da chapa, e sim a oposição.

Ao governo cabe neste momento é governar, isto é, buscar uma solução para colocar o pagamento do salário dos servidores em dia, inaugurar obras de importância e de impacto social em todos os municípios e prestar contas e esclarecimentos da sua gestão à população.

Na esfera política, o governador vem fazendo o comezinho da política, costurandoos apoios e as alianças políticas, dividindo com elas espaços no poder.

E se possível agregar novas forças tal como o governador está fazendo em relação ao PTB, PPS e outros partidos, trazendo-os para o seu palanque.

Até porque sabemos que votos não se rejeitam, venham de onde vierem. No momento, cabe a oposição a obrigação de pôr seu bloco na rua o quanto antes, para explorar a agenda negativa do governo, apresentar suas propostas administrativas e tentar massificá-las o mais rápido possível.

Se o governador tem a máquina do Estado que é um potencial multiplicador de votos, sob total e absoluto controle, para que antecipar o calendário eleitoral?

Isso é tarefa dos candidatos da oposição, que ainda não apresentou na íntegra a sua chapa majoritária, o que leva a presunção de que, se assim se comporta, é porque ainda não há acerto interno sobre “quem” deve disputar o “quê”.

*Ionas Araújo, advogado, ex-prefeito de Serra de São Bento e ex-deputado estadual do Rio Grande do Norte.

quinta-feira, 26 de abril de 2018

TRE marca eleição suplementar para junho em quatro Municípios


O Tribunal Regional Eleitoral marca para o domingo, 3 de junho, eleição suplementar em quatro municípios. 23,8 mil eleitores escolhem novos prefeitos e vices. Os antigos tiveram mandatos cassados.

Os municípios são Galinhos e Pedro Avelino, ambos na região central, próximo à Costa Branca, além de São José do Campestre e Parazinho, na região Agreste. A data escolhida é a limite para este tipo de eleição neste ano. Os mandatos dos novos prefeitos seguem até 2020.

Galinhos tem 2.322 eleitores aptos. O prefeito Fábio Rodrigues (PRB) e o vice Afrânio Reis (PR) foram cassados por determinação em setembro do ano passado, por abuso de poder econômico e político, mas permaneceram nos cargos até março, quando o TRE confirmou a cassação. Com a decisão em segunda instância, o presidente da Câmara assumiu o município interinamente.

Em abril o TRE cassou os diplomas da prefeita e do vice-prefeito de Pedro Avelino, Neide Suely Muniz Costa e Nilton Mendes por abuso de poder econômico e político, além de “conduta vedada”. Um vereador também perdeu o mandato. Na mesma ação o deputado estadual José Adécio foi condenado à inelegibilidade por oito anos. 6.915 eleitores devem comparecer.

 Em uma mesma sessão a Justiça Eleitoral negou recursos e confirmou a perda de mandados nas gestões de Parazinho no mesmo dia em que cassou os prefeitos de Galinhos, em março deste ano. A prefeita Rita de Luzier de Souza Martins (DEM) e a vice Edna Maria de Almeida Câmara foram cassadas por captação ilícita de votos e abuso de poder econômico. 5.116 votos no município.

Cassado também a prefeita e a vice-prefeita de São José do Campestre. Maria Alda Romão Soares e Eliza Assis de Oliveira Borges responderam a processo por captação ilícita de votos e abuso de poder econômico. 9.446 eleitores aptos a votar.

Podem concorrer aos cargos de prefeito e vice-prefeitos nessas cidades aqueles que possuírem domicílio eleitoral nelas no prazo mínimo de seis meses antes da data da eleição e tenham filiação partidária deferida no mínimo seis meses antes da mesma data.

No caso de ser necessária a desincompatibilização o candidato deverá se afastar do cargo gerador de inelegibilidade nas 24 horas seguintes à sua escolha em convenção partidária. Os prefeitos e vices cassados não podem concorrer.

Confira abaixo os principais prazos do calendário eleitoral das eleições suplementares, nos quatro municípios:

25 de abril – Data a partir da qual é permitida a realização de convenções destinadas a deliberar sobre coligações e escolher os candidatos aos cargos de Prefeito e Vice-Prefeito.

30 de abril – Último dia para a realização de convenções destinadas a deliberar sobre as coligações e escolha dos candidatos a Prefeito e Vice-Prefeito.

02 de maio – Último dia para o candidato escolhido em convenção desincompatibilizar-se, observada a data de escolha em convenção.

04 de maio – Último dia para os partidos políticos e coligações apresentarem no Cartório Eleitoral, até às 19 horas, o requerimento de registro de candidatos a Prefeito e Vice-Prefeito. Também Data a partir da qual é vedado aos candidatos participarem de inaugurações de obras públicas.

05 de maio – Data a partir da qual será permitida a propaganda eleitoral

02 de junho (véspera da eleição) – Último dia para propaganda eleitoral mediante alto-falantes ou amplificadores de som, entre as 8 e as 22 horas, para a promoção de carreata e distribuição de material de propaganda política e para a propaganda na internet.



quarta-feira, 25 de abril de 2018

O jornalismo fanático, panfletário e furibundo


Tenho acompanhado pela rede diversos blogs esquerdistas e todos eles são eivados de informações distorcidas.
Entretanto um deles tem me chamado a atenção pelo fato de ter se tornado um dos fiscais oficiosos dos jornalistas que criticam a esquerda e, essencialmente, o petismo e o ex-presidente condenado em duas instancias.
Além disso, tornou-se especialista na manipulação dos fatos e useiro da desinformação, quando procurar unir acontecimentos recentes a instituições e realizações bem anteriores a atualidade.
É o caso da “Conversa Fiada”, que faz jus ao titulo. O monologo do responsável é realmente uma conversa sem futuro.
Paulo Henrique Amorim tornou-se um empedernido torcedor lulista, compreensível, pois se ressente da ausência do pagamento extra como controlador de um dos blogs ou sites “sujos”.
Numa das postagens ele tenta ligar, extemporaneamente, a chegada ao Brasil, lá no começo do século XX (1912), da multinacional norte-americana do combustível, a Standard Oil Company (Esso), ao caso do duplo assassinato que envolveu uma vereadora carioca e o motorista.
Na mesma ocasião procura relacionar artificialmente, e cavilosamente, a construção da Ponte Rio – Niterói com o surgimento da favela da Maré (núcleo com origem nos anos 40) e, conseqüentemente, com as referidas mortes.
Mais recentemente procurar relacionar as dificuldades da construtora Odebrecht, oriundas, em parte, do imbróglio em que se meteu com a corrupção generalizada nos 13 anos do governo petista, como um complô da investigação para prejudicar a indústria pesada nacional, notadamente o citado grupo empresarial brasileiro, em conluio com os americanos.
O leitor atento e inteligente entende que a produção da indústria pesada ou de base é absorvida por outras indústrias, no caso máquinas ou matéria-prima.
Também chamadas de bens intermediários, incluem, principalmente, os ramos siderúrgico (produção de aço e similares), metalúrgico (manufatura e transformação do aço e afins), petroquímico e de cimento.
Sabe-se que construtora Odebrecht, criada em 1944, é a empresa mãe de um enorme e mastodôntico conglomerado, que alcançou a forma obesa por força de empurrão não republicano, fruto do enlace matrimonial com a cabeça de medusa ou ninho de cobras vermelhas que circulavam pelo poder no Planalto Central.
Dito isso foi o antigo ramo construtor – e não o braço moderno – da empresa com nome  germânico, que estendeu as manoplas sujas de óleo em construções faraônicas e perdulárias, distribuindo ao bel prazer dinheiro e o suor do patrício pagador de impostos, via ‘beenedeesse’, pelos países esquerdistas e ditatoriais da América “latrina”e do “continente negro”.


Diretor do site e jornal “Agora” nomeado coordenador de fundação pelo governador


A maioria dos blogs famosos da capital não deu. Segundo o blog do xerife caicoense Robson Pires noticia, na terça-feira, 24, o governador Robinson Mesquita Faria (PSD) teria nomeado o diretor administrativo do impresso “Agora”,Edilson da Cunha Viana, coordenador de Inovação Tecnológica da Fundação de Apoio a Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte (Fapern).

Entretanto, ainda na edição em papel da quarta-feira, consta o nome dele no expediente da mídia surgida primeiro na versão on line em 2016. Para quem não sabe o nomeado é pai do editor-chefe, o jornalista Alex Viana.