Consulta

terça-feira, 23 de abril de 2024

A primeira vez do ABC na capital pernambucana

A linha Timbu: Zézé, Arthur, Fernando, Estácio e João Manoel

JOSÉ VANILSON JULIÃO

O ABC é citado no aniversário de 90 anos do torcedor "Timbu", sócio há 83, Ricardo Breno Pontes Borges Rodrigues, o "Cacá".

Nascido quatro dias antes da partida no estádio da Avenida Malaquias. Ao ver em rede social sobre a comemoração foi dito que ele esperou nascer antes da vitória do alvirrubro.

Eu já sabia destes jogos do ABC na capital pernambucana e estava na agenda para ser relatado. E agora aproveito a citação.


Em crônica de Roberto Vieira no "Esportes DP" (20 de abril) repercutida em uma página dedicada ao Clube Náutico Capibaribe.

Após jogar pela primeira vez em Fortaleza no final dos anos 20 esta era a primeira visita abecedista a capital pernambucana.

Com o cartaz do futebol potiguar, lembrado pela imprensa local, ostentar a terceira colocação no campeonato de seleções no começo do ano (é desclassificado pela Bahia na semifinal).

É a apresentação 330 com derrota (2 x 4) do Náutico na história (quinta-feira, 26/4/1934). com arbitragem de Harry Leça, o mesmo que comanda o próximo jogo.

Para o Timbu. João Manoel (dois) e dos irmãos Carvalheira, Fernando e Zezé, um cada. Oswaldo e Xicico para o ABC.

Três dias depois (domingo 29), no mesmo campinho na esquina da Conselheiro Rosa e Silva (Bairro dos Aflitos) vence o Sport Recife (5 X 3) no jogo 389 do Leão.

Com gols para o rubro-negro de Alemão (dois) e Marcilio Aguiar. Raimundo (dois), Neném, Oswaldo e Xixico marcam para o visitante.

A pesquisa esclarece que o primeiro jogo não aconteceu no dia 24, data da chegada da delegação visitante.

Pelo cansaço da viagem de trem o dirigente norte-rio-grandense, Vicente Farache Neto, é atendido com pedido de adiamento.

Vicente Farache visitou a redação do "Diário de Pernambuco". A delegação é recebida pelo presidente do Centro Norte-rio-grandense, Godofredo Freire.


FONTES/IMAGENS

Diário da Manhã

Diário de Pernambuco

Jornal do Recife

Jornal Pequeno

Futebol 80

Náutico Sempre

Vozes da Zona Norte

sexta-feira, 19 de abril de 2024

"Descoberta" carreira do jogador da primeira "copinha" nordestina

Francisco Alves Sobrinho, o "Gabeia", participou do campeonato distrital pelo Guará de Brasília

JOSÉ VANILSON JULIÃO

Marinho (com Ribamar) treinou o "Gabeia"

O termômetro do imaginário do torcedor dos jogadores que participaram da primeira I Copa de Futebol Júnior no Recife (janeiro/1994) pode ser auferida nas lembranças das redes sociais, dos próprios companheiros de contemporaneidade, ou pela frequência de citação do memorialista José Ribamar Cavalcanti nas datas dos aniversários.

Os dados da carreira da maioria podem ser encontrados em sites especializados em futebol, mas existem aqueles, no máximo uns três, que são raras informações sobre a carreira, assim como também acontece com as fotografias, a não ser os históricos flagrantes do Estádio José do Rego Maciel e os documentos guardados por Ribamar Cavalcanti.

Inclusive nenhuma imagem dos três jogadores em separado é encontrada. São os casos de Sandro Alves da Silva, José Gianei C. de Araújo, o “Nei”, e Francisco Alves Sobrinho, o “Gabeia”, sendo este um caso específico, por ser o único que ainda são encontradas informações sobre a trajetória, até fora do Rio Grande do Norte.

De “Nei” somente estão disponíveis o nome completo, apelido e data de nascimento (1 de abril de 1974) na documentação exposta de forma inédita no blog. Quanto a Sandro o informe que foi treinador passageiro do Força e Luz na Segunda Divisão potiguar (2016): quarto colocado, com três vitórias e cinco derrotas, entre cinco participantes.

Francisco Alves Sobrinho, o “Gabeia”, aparece no returno do campeonato distrital (1998) como avançado do extinto Clube de Regatas Guará, da cidade satélite do mesmo nome, em Brasília (Distrito Federal). A agremiação é campeã do returno e decide o título em quadrangular final.

“Gabeia” – o apelido aparece como “CABEIA” em um blog local – participa de cinco jogos e faz apenas um gol. 1 x 0 Gama (1/4), 0 x 1 Itapuã (11/4), 2 x 0 Taguatinga (24/5) – marca um gol - , 0 x 1 Gama (31/5) e 2 x 0 Ceilandense (7/6). É titular em quatro aparições.

Em seguida a passagem pelo Planalto Central aparece no Alecrim (2000). Como atesta súmula do jogo pelo campeonato potiguar: América 2 x 1 Alecrim (domingo, 21/4/2000). Quando é escalado pelo treinador Francisco Marinho Chagas, na única vivência do “galego” como técnico de futebol.

Ainda participa do campeonato estadual no tricolor São Gonçalo (do município do mesmo nome na região metropolitana) no campeonato estadual. Quando substitui um jogador na partida em que o Alecrim goleia o “Touro” (4 x 0) e escapa do rebaixamento (domingo, 25 de março de 2007).

 

FONTES

Almanaque do Futebol Brasiliense

Escrete de Ouro

Federação Norte-rio-grandense de Futebol

Globo Esporte

Jornal do Guará

O Gol

Súmulas Tchê 

quinta-feira, 18 de abril de 2024

Segunda foto do Júnior americano na "copinha" nordestina

A segunda fotografia no estádio do Santa Cruz/PE conta com 13 jogadores. Faltam três

FORMAÇÃO (imagem acima): Gilson, Severinho (treinador), Marcos Boiadeiro, Sérgio, Sandro, Sinha, Carioca, Espaguete (massagista), Paulinelli, Neto Xavier, Gabeia, Clodoaldo, Bernardes, João Matias e Biro-Biro

FORMAÇÃO (imagem abaixo) Beto, Clodoaldo, Pantera, Bernardes, Sandro, Gilson, Ribamar (supervisor), Sinha, Carioca, João Matias, Biro-Biro, Neto Jacaré e Espaguete

JOSÉ VANILSON JULIÃO

A primeira imagem reproduzida na rede

Depois da publicação da primeira imagem sobre a participação do "sub-20" do América/RN na I Copa de Futebol Junior em Recife/PE (janeiro/1994) chega a vez de mais uma.

A importância da segunda fotografia, também no Estádio Jose do Rego Maciel (Arruda), sede dos jogos, se deve ao fato de que comprova que o time entra em campo com pelo menos duas escalações diferentes nas seis partidas.

Com o detalhe que a imagem conta com 13 jogadores (faltam três). Um dos dois documentos publicados recentemente, de forma inédita, não relaciona as formações na meia dúzia de participações.

Apenas registra as datas e os resultados das partidas (quatro vitórias e dois empates), com a última vitória na decisão do terceiro lugar invicto contra o Santa Cruz.

A folha de papel datilografada pelo administrador da Pousada do Atleta, José Ribamar Cavalcanti, somente consta os 11 titulares e os cinco suplentes.

Tanto os documentos (o outro trata-se do informe ao Juizado de Menores da viagem para a capital pernambucana), quanto as duas fotos, são do acervo do memorialista Ribamar Cavalcante.

 

FONTES/IMAGENS

Blog No Ataque

Memorial do Dragão


quarta-feira, 17 de abril de 2024

Jogador da "copinha" nordestina treinador em curta temporada

26 anos depois o lateral-direito titular americano não consegue o acesso com o clube Força e Luz

JOSÉ VANILSON JULIÃO

Veterano dirigente Ranilson Cristino Ferreira

Dos 16 jovens atletas do América/RN – 11 titulares e cinco reservas – que participaram da I Copa Nordeste de Futebol Júnior (janeiro/1994), no Recife/PE, de pelo menos três (um titular e dois suplentes) são escassas as informações da carreira existentes na rede.

Como exemplo inicial o rarefeito levantamento sobre o lateral-direito Sandro Alves da Silva (alvirrubro entre 1991/96) resume-se aos dados da documentação da viagem já exposta com exclusividade pelo blog. Ou seja: nome completo e data de nascimento: 23 de novembro de 1974.

Fora isso apenas a menção em reportagem do jornalista Jocaff Souza para o site “Globo Esporte” (16 de setembro de 2016), quando, um mês antes, é escolhido como treinador do Força e Luz para comandar o elenco “elétrico” no campeonato estadual da Segunda Divisão ou Série B local.

Na época o Força e Luz (campeão em 2014 e rebaixado no ano seguinte com a pior campanha entre dez participantes) aposta em intercâmbio com um empresário dono de um jornal de Angola (África) para tentar retornar à elite do futebol no Rio Grande do Norte.

A parceria para reforçar o elenco para a estreia em um sábado contra o Clube Atlético Potengi (CAP) tem como planejamento focar em elenco jovem de dez atletas das categorias de base. A intenção é usar a língua portuguesa para a troca de experiências entre os jogadores.

A maioria dos jogadores passou por clubes locais, como o volante Odair (Potiguar de Mossoró esse ano), inclusive na disputa da Série D, e o meia Binha, ex-Palmeira (Goianinha).

O presidente Ranilson Cristino Ferreira (acumulando a função de treinador de goleiros) disse que os estrangeiros se somam ao grupo que trabalha na cidade de Arês, a 58 quilômetros de Natal.

“O Estádio Ferreirão tem um campo bom e acomodação boa”, explicou o veterano dirigente. A parceria envolvia atletas com idade entre 18 a 23 anos. Esclarecia o supervisor Janaílson Oliveira.

 

FONTES

Globo Esporte

Tatutom Sports

Marcos Avelino Trindade

 

terça-feira, 16 de abril de 2024

Jogadores da primeira "copinha" nordestina vão para almanaque

JOSÉ VANILSON JULIÃO

Rui assinou para a história

A única fotografia do time americano no Estádio Jose do Rego Maciel (Recife), que circula na rede, e os documentos (oficial e oficioso) publicados com exclusividade pelo blog – imagem e papeladas do acervo do cuidadoso memorialista José Ribamar Cavalcante – além da importância para chancelar a realização da I Copa Nordeste de Futebol Junior (janeiro de 1994) também servem para comprovar que o torneio amador da mesma categoria, ganho pelo Ferroviário de Fortaleza com final contra o ABC, foi a segunda edição, predecessora de mais duas (1999/2000), das quais o redator vai procurar dados.

A relação aleatória para a viagem dos 16 jovens atletas (11 titulares e cinco reservas) em papel timbrado do alvirrubro, feitas sem guardar posição dentro de campo e sem ordem alfabética, também são de importância fundamental para “carimbar” a maioria dos jogadores nas fichas de um futuro "Almanaque do América/RN".

Inclusive dois desses atletas já tinham sido visados pelo repórter e pesquisador responsável por este JORNAL DA GRANDE NATAL, mas somente havia nas anotações os apelidos ou nomes incompletos (também sem a naturalidade e data de nascimento), isso mesmo a partir de algumas súmulas ou fichas técnicas dos jogos existentes em 1.627 páginas compiladas até o momento.

Neste caso estão inseridos o lateral-direito titular Sandro Alves da Silva, do qual já se sabia o primeiro nome, e o suplente José Gianei C, de Araújo, do qual somente se tinha conhecimento do nome de guerra, “Nei”, uma corruptela ou contração do nome de batismo.

De um terceiro jogador, um segundo suplente, sequer se sabia nome completo, apelido e os mais importantes dados pessoais (naturalidade e data de nascimento).

Com o documento assinado pelo supervisor Rui Soares da Silva chega-se a identificação completa: Francisco Alves Sobrinho, alcunhado de “Cabeia”, natural de Macaíba.

“Da mesma terra do goleiro Gilson”, como esclareceu o ídolo “Biro-Biro”, mais uma vez acionado pela reportagem,  

EXCLUSIVO: documentos provam a existência da primeira "copinha" nordestina

JOSÉ VANILSON JULIÃO


Já relatei a divulgação e a importância dos raros documentos que proporcionaram obter dados exclusivos sobre a I Copa Nordeste de Futebol Junior, realizada em janeiro de 1994, no Recife.

Porém os dois documentos, agora expostos na imprensa potiguar, de forma inédita, são objetos de duas diferenças observadas pelo repórter.

O primeiro tem o papel timbrado com a identificação do América, único representante do RN na competição e substituído pelo ABC na segunda (1998).

Este tem a assinatura do supervisor Rui Soares da Silva, falecido em 3 de novembro de 2014, aos 73 anos, depois de servir ao esporte como o dirigente em pelo menos três instituições.

Como presidente do Racing, do bairro das Rocas e presidente da Federação Norte-rio-grandense de Futebol nos anos 80. A última função como supervisor mais uma vez do alvirrubro.

Na ocasião Rui Soares dá ciência ao Juizado de Menores (4 de janeiro) sobre a viagem dos jovens atletas por ônibus da Empresa Nápoles.


O segundo não fica atrás na raridade. Apesar de não ter o timbre acima do espaço em branco no papel preenchido com informações também muito importantes.

Com as datas, placar dos jogos e outros detalhes: como o “onze” do time titular e os suplentes americanos.

Além do melhor jogador na competição (o meia-atacante Marcos "Boiadeiro", apelido pela semelhança com outro jogador mais famoso) e o goleiro menos vazado, o Gilson Pedro de Souza).

Sem a chancela burocrática do clube, mas com a "oficial" grandeza e perspicácia pela função de administrador da Pousada do Atleta e do Estádio General Everardo Vasconcelos.

No caso o ex-jogador e memorialista José Ribamar Cavalcante, alvo de uma excelente biografia escrita pelo jornalista Kolberg Luna Freire.

Foi ele, logo após o encerramento, com o América na terceira colocação invicto, que registrou para a história os dados disponíveis pela presença.

Furando o bloqueio da deficiência da cobertura da imprensa local na ocasião.


segunda-feira, 15 de abril de 2024

A final ABC x Ferroviário na segunda "copinha" nordestina

JOSÉ VANILSON JULIÃO

O tricolor Guedinho, artilheiro, com três gols

Classificado com duas vitórias na primeira fase o Ferroviário pegou o Estudantes (João Pessoa) na semifinal. O adversário havia derrotado o CRB.

O ABC foi o adversário do “Ferrão” na final no Estádio da Graça (oficialmente Leonardo Vinagre da Silveira), na capital paraibana.

A informação do site “Federação Internacional de Estatísticas de Futebol” é de que o jogo termina 0 x 0, mas aconteceu a prorrogação com vitória dos cearenses.

Aos 14 minutos finais do segundo tempo complementar o meia Tales fez o gol do título coral, de cabeça, após cobrança de escanteio.

Eis a formação do treinador Francisco Aires: Eduardo, Dodô (Emanuel), Erivan, Cléber, Júnior, Reginaldo (Serginho), Daniel, Tales, Gaspar (Berg), Leonardo (Fabiano) e Guedinho.

São campeões invictos com o atacante Guedinho artilheiro com três gols em quatro partidas. Jean e Durango também participaram da campanha.

No retorno para casa, no sábado do carnaval de 1998, os campeões nordestinos participaram do jogo de entrega de faixas contra o Santos Nordeste (Fortaleza).

Do elenco Dodô, Erivan, Cléber, Reginaldo, Daniel Júnior, Tales, Serginho, Leonardo e Guedinho tiveram participação em jogos oficiais ou amistosos do profissional nos anos subsequentes.

Gledston Araújo Silva (12 de junho de 1979), 44, o “Guedinho”, teve maior destaque, totalizando 180 jogos e 68 gols.

É o nono maior artilheiro da história coral (com dados do “Almanaque do Ferroviário” e do site “O Gol”).

No Ferroviário até 2003 ainda passou pelo Uniclinic (atual Atlético cearense, adversário do América na Série D), Campinense, Itapajé Tianguá e Calouros do Ar (em 2011).


Blog cearense confunde primeira edição da "copinha" nordestina

JOSÉ VANILSON JULIÃO


Foi dito que o site "Federação Internacional de Estatísticas de Futebol" não sabe exatamente o ano em que aconteceu a primeira "copinha" nordestina da categoria Júnior (Sub-20).

Enquanto isso o excelente blog dedicado ao Ferroviário cearense faz confusão com duas das quatro edições.

O "Federação" fica na dúvida entre 1994 (o ano exato) ou 1995, mas informa a realização de mais três eventos deste tipo após hiato de três anos: 1998, 1999 e 2000.

O JORNAL DA GRANDE NATAL relatou a substituição do América pelo ABC como representante do Rio Grande do Norte na segunda competição: 1998.

Justamente neste ano o tricolor de Fortaleza é o campeão em final com o alvinegro potiguar. Mas o "Almanaque do Ferroviário" aponta como sendo a primeira edição do torneio amador.

Conforme postagem (7/2/2023) relembrando 25 anos da conquista dos "corais". Inclusive com recorte de jornal da época (veja acima) em que relata a comemoração do título inédito.

Entre os participantes: Vitória e Galícia (Salvador), ABC, Botafogo, Santos, Estudantes (todos de João Pessoa), Centro Sportivo Alagoano e Clube de Regatas Brasil (Maceió).

Campanha do Ferroviário na primeira fase: 2 x 0 Botafogo (Guedinho) e 3 x 1 CSA (Reginaldo, Guedinho e Tales).

Na semifinal 0 x 0 Estudantes (tempo normal e prorrogação, com 6 a 5 nos tiros livres (semifinal). E 0 x 0 ABC (final).

América/RN terceiro lugar invicto na primeira "copinha" nordestina

JOSÉ VANILSON JULIÃO


O título muda, mas a reportagem faz parte da série cada vez mais com dados inéditos da carreira do craque Marcos André Rodrigues (“Boiadeiro”), o segundo com este apelido no futebol brasileiro.

A I Copa Nordeste de Futebol Júnior é realizada (7 a 16 de janeiro de 1994) com todos os jogos no Estádio José do Rego Maciel.

Participam 13 clubes, a maioria das capitais (dez representantes), de seis dos nove estados nordestinos: Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Sergipe e Rio Grande do Norte:

CSA, Corinthians (Maceió), Botafogo (João Pessoa), América, Náutico, Santa Cruz, Sport (Recife), Central (Caruaru), Sergipe (Aracaju) e América (Natal).

Na lista os desconhecidos e sumidos Santos e União (Fortaleza). E também o Estudantes (capital paraibana).

Times amadores, daqueles juntos de última hora, para compor o quadro. Segundo Ribamar Cavalcante. O Estudantes, inclusive, o redator pensou ser o de Timbaúba, interior pernambucano.

O América/RN vence quatro partidas e empata duas. Resultados. 2 x 0 América/PE (dia 8), 2 x 1 Santa Cruz (10), 2 x 0 Santos (11), 0 x 0 Sergipe (12), 2 x 2 Sport (14) e 2 x 0 Santa Cruz (16).

O goleiro macaibense Gilson Pedro de Souza termina como o arqueiro menos vazado. O artilheiro e o melhor jogador também americano: Marcos Boiadeiro.

domingo, 14 de abril de 2024

Homenagem ao ex-jogador do América/RN Janilson Estevam

Janilson Estevam de Souza é o penúltimo agachado no juvenil do América de Natal em 1976

Janilson em fotografia mais recente

O antigo juvenil do alvirrubro da capital potiguar faleceu neste domingo.

O memorialista José Ribamar Cavalcante, ouvido pelo blog, disse que ele foi excelente meia-atacante, mas sem grandes oportunidades.

Janilson Estevam de Souza (Natal, 22 de julho de 1957 – Maxaraguape/RN, 14/4/2024) começo na base americana em 1976.

Ainda passou pelo Alecrim (1979), Riachuelo (1980) e Maranhão Atlético Clube (1982), o MAC, de São Luís, capital maranhense.

Funcionário público municipal, residia em Barra de Maxaranguape (litoral norte do estado).

Em rede social amigos disponibilizaram uma foto na épóca em que ele jogou no "Bode Gregório", quadricolor do Maranhão.

Da rede o JORNAL DA GRANDE NATAL busca uma ficha técnica com Janilson em ação pelo clube das quatro cores.

A súmula refere-se a um jogo pelo terceiro turno do campeonato estadual (31/10/1982).                                                                                                             

Janilson no Maranhão AC

Sampaio Correia 3 x 1 Maranhão

Estádio: José Castelo

Árbitro: Sérgio Faray

Renda: Cr$ 1.079.200,00

Público: 4.353

Gols: Babá 33; Geraldino 3 e 11, Hélio Rocha 44/2

Sampaio Corrêa: Marcial, Mendes, Roberto Gallotti, Hamílton Silva, Ivanildo, Joaquim, Jorginho (Moreira), Babá (Vânder), Fernando, Geraldino e Bimbinha. Técnico: João Pinto

Maranhão: Paulão, Nílton, Marinho, Paulinho, Wilson, Tataco (Janílson), Tica, Hélio Rocha, Válter, Bacacal e Alcino (Paulo Augusto). Técnico: Lula dos Santos

 




FONTES/IMAGENS

Acervo José Ribamar Cavalcante

Futebol 80

Sumulas Tche

Velha Guarda das Rocas

A aventura de um "Boiadeiro" potiguar no futebol (IX)

Memorialista tem guardados preciosos documentos com datas e nomes dos jogadores

JOSÉ VANILSON JULIÃO

Rui Sores da Silva: na supervisão

Além de confirmar a origem do apelido e revelar a cidade em que mora atualmente (Belo Horizonte) o ex-jogador Marcos André Rodrigues ("Boiadeiro") o ex-meia-atacante João Gualberto de Freitas ("Biro-Biro") deu uma de pauteiro e orientou a reportagem a procurar José Ribamar Cavalcante.

- Fale com Ribamar. Ele tem os resultados dos jogos, disse o "Biro". Mas não precisei seguir a preciosa orientação do futebolista campeão potiguar de 1996 e um dos ídolos da torcida alvirrubra no acesso e permanência de dois anos na Série A (1997/98).

Na noite do sábado – como fizera no dia anterior com a carteirinha de amador de Marcos "Boiadeiro" – Ribamar Cavalcante envia voluntariamente dois tesouros datilografados em papel comum, desses de qualquer caderno escolar.

São documentos sobre o primeiro campeonato nordestino amador de júnior’s no Recife (janeiro de 1994).

Um assinado pelo verdadeiro supervisor (Departamento Amador), Rui Soares da Silva, com as orientações do transporte do elenco em ônibus da empresa Nápoles.

A raridade inclui os nomes de todos os passageiros (titulares e suplentes) sob a escolta providencial do ex-jogador e treinador Carlos Antônio Severo Dias, o “Severinho”.

A outra preciosidade, datilografada por Ribamar, são os resultados dos jogos do América na competição.

Riba dá até uma de repórter. Como se fosse uma premonição anota datas e os clubes participantes (a seguir).


A aventura de um "Boiadeiro" potiguar no futebol (VIII)

Estádio da Graça, como também é conhecido, no bairro Cruz das Armas, em João Pessoa

ABC de Natal é vice-campeão de futebol júnior na segunda edição, em 1998, na capital paraibana

JOSÉ VANILSON JULIÃO

O conceituado site "Federação Internacional de Estatísticas de Futebol" é taxativo ao esclarecer que não dispõe de dados suficientes e informa a raridade de fontes.

Até fica em dúvida quando relaciona a realização da primeira competição: se em 1994 ou no ano seguinte.

Mas aponta outros três eventos semelhantes. Não mais no Recife. A sede é transferida da capital pernambucana para capital paraibana (João Pessoa).

Depois da primeira (1994) e hiato de três anos acontecem as competições entre 1998/2000. Em 1998 o América/RN é substituído na “Copa” ou “Taça” pelo rival alvinegro, o ABC Futebol Clube.

Enquanto não tem informações sobre as duas penúltimas competições relaciona os campeões: Sport (1994), Ferroviário/CE (1998), Treze (1999) e Vitória/BA (2000)

A edição de 1998 (8 a 15 de fevereiro) com 11 participantes: Treze, Botafogo/PB, Estudantes/PE, Santos/PB, Bahia, Vitória, Galícia, CRB, CSA, Ferroviário e ABC - RN

Na Primeira Fase (Grupo de Bayeux – região metropolitana de João Pessoa): ABC, Treze e Vitória de Salvador.

Resultados do clube natalense: 5 x 1 Treze (9), Rubens (5); 2 x 2 Vitória (11), Wellington Jacaré e Rildênio.

Na Semifinal, no Estádio Leonardo Vinagre da Cunha, 0 x 0 Santos. Nos tiros livres 5 x 4 (Rubens, Rogério, Soldado, Jander e Claudio Ari).

Final: ABC 0 x 0 Ferroviário. Prorrogação: 0 x 1 Ferroviário.

A aventura de um "Boiadeiro" potiguar no futebol (VII)


Memorialista José Ribamar Cavalcante guardou dados da primeira copa nordestina da base no Recife em 1994

JOSÉ VANILSON JULIÃO

O memorialista José Ribamar Cavalcante – biografado pelo jornalista Kolberg Luna Freire – relata passagens como ex-jogador (1964/76) e também como dirigente esportivo convocado pelos diretores de América/RN, ABC e Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF).

Uma das lembranças citadas no livro lançado o ano passado pela especializada Editora Primeiro Lugar é justamente a administração dele como supervisor do alvirrubro na época em que o time juvenil participa da competição amadora da categoria em janeiro de 1994 no Recife.

Convidado pelo presidente Fernando R. Nesi é administrador do modesto complexo esportivo americano vendido em meados do segundo quinquênio da mesma década com o dinheiro investido em área no município de Parnamirim, atual Estádio José Vasconcelos da Rocha (presidente).

Por isso mesmo não tinha como não acompanhar o elenco. Pois como guardião da memória (trocadilho com o título da biografia) Ribamar também era o administrador da Pousada do Atleta, os alojamentos nos fundos, a direita de quem entrava, no Estádio General Everardo.

O estadinho do bairro de Capim Macio (Zona Leste), iniciado na administração do presidente, o oficial reformado da Aeronáutica, Hugo Manso Maciel (1971/72), sendo este alvo de recente série inédita ainda por terminar.

Ribamar Cavalcante, zeloso, atento e competente, tem uma atitude que fica na história, pelo menos na ótica do redator, o que será relatado na próxima postagem: dados inéditos da I Copa Nordeste de Futebol Junior.

sábado, 13 de abril de 2024

A aventura de um "Boiadeiro" potiguar no futebol (VI)

"Biro-Biro", amigo do peito de Marcos Boiadeiro, está nesta multidão campeã do Nordeste (1998)

Contemporâneo do juvenil revela a origem do apelido e relembra apoio do personagem

JOSÉ VANILSON JULIÃO

João Gualberto

Contato mantido. Fonte confirmada.

Identificado o internauta que comentou em rede social sobre a carreira do Marcos André Rodrigues, o "Boiadeiro" do Rio Grande do Norte.

Trata-se mesmo do João Bosco Gualberto de Freitas, o "Biro-Biro", contemporâneo do personagem no juvenil do América/RN.

De importância fundamental a conversa com "Biro-Biro". É ele quem explica a origem do apelido do amigo.

E confirma o que o redator suspeitava: - Na época apareceu um Boiadeiro e como o acharam muito parecido com ele também passaram a chamá-lo Marcos Boiadeiro.

O bom da conversa é o reconhecimento. "Biro-Biro" diz que teve total apoio do colega no começo da carreira na base americana.

"Quando cheguei de Caiçara (praia do município de São Bento do Norte) não sabia pegar o ônibus e todos os dias ele saía da Casa do Estudante para me apanhar e seguirmos para os treinos."

"Biro" participou do campeonato nordestino de futebol amador em janeiro de 1994 e no retorno é elevado ao elenco principal.

Dois anos depois o meia-atacante é campeão potiguar e um dos heróis do acesso alvirrubro no segundo semestre do mesmo ano.

João Gualberto ainda é o responsável por mais uma importante informação: Marcos "Boiadeiro", pivô desta série, atualmente reside em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

Em abril ou maio do ano passado, diz, a geração de jogadores da época esteve reunida em jogo festivo na cidade de Taipu, na região do Mato Grande.

"Biro", depois de quase dez anos no América (entre 1993/99), faz sucesso no futebol grego a partir do ano 2000.

Com ele a informação de que I Copa Nordeste Junior – com mais três edições (1998/2000) – contou na disputa do terceiro lugar América x Sergipe e final Santa Cruz x Sport (o campeão).