segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O canal ‘especializado’ em faroeste italiano

Durante o dia e grande parte da noite o segmentado Canal do Boi tem a programação totalmente preenchida com o agronegócio, principalmente sobre leilões de animais de raça, como gado bovino, cabras e cavalos.
A emissora de sinal fechado tem os programas transmitidos via satélite, por antena parabólica ou pelo sistema a cabo ou pela internet. Ela faz parte da rede SBA (Sistema Brasileiro de Agronegócio).
Ainda tem o Agro Canal, o Novo Canal e o Conexão BR. A empresa foi fundada em 1995, com sede em Campo Grande, capital do Estado do Mato Grosso do Sul (Região Centro-Oeste).
Feito o intróito explicativo e esclarecedor, digo que é durante a insone madrugada, vez ou outra, que sintonizo o canal da turma do relincho. É lá que tenho assistido, novamente, os antigos filmes da linha western spaghetti.
Estas fitas de cinema, realizadas nos famosos estúdios da Cinecittá (“Cidade do Cinema”), nos arredores de Roma, a “Cidade Eterna” do país da bota, foram sucesso nos anos 60/70.
Nesta terça revejo Os Companheiros (1970), do diretor Sergio Corbucci (1927 – 1990), um dos ícones do cinema macarrônico, ao lado de Sergio Leone. Atuam o ator norte-americano Jack Palance, Franco Nero, Fernando Rey e Eduardo Fajardo.
O italiano Franco Nero, por sinal, é o protagonista principal da clássica película Django (1966), do mesmo diretor, obra que detonou a fama do Spaghetti de celulóide pelo mundo, inclusive no antigo Cine Canário, em Cerro-Corá (RN).
A semana passada fora a vez de um filme com outro ator vinculado ao gênero cinematográfico, Terence Hill, de brilhante olho azul, da série com o personagem Trinity. Foi Trinity ainda é meu nome (1971). Com o parceiro Bud Spencer, o reconchudo.
E antes assistira Meu nome é ninguém (1973). Com Hill e o ator americano Henry Fonda.
Em todas as fitas o destaque para a trilha sonora. Geralmente a cargo de Ennio Morricone.

Mas é sensacional a música de Luis Enriques Bacalov para Django, o personagem que esconde uma metralhadora escondida em um caixão de defunto e o arrasta, ora a cavalo, ora a pé, pelo deserto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário