sábado, 19 de junho de 2021

O treinador uruguaio do América (XIV)

Industrial César Alexandre Aboud
Rápida estadia no Sampaio Correa e retorno para a Rua Campos Sales 

José Vanilson Julião

O DIÁRIO DE SÃO LUIZ (quinta-feira, 6/5) noticia a estréia de Acosta no Sampaio Correa contra o Moto numa série de melhor de três pontos pelo II Torneio Triangular (2 x 1 - domingo, 9).
Na tarde do mesmo dia ele já treina o elenco "boliviano" para o clássico. A reportagem indica os números envolvidos na transferencia do uruguaio para o "mais querido":

- Por ocasião de uma sessão extraordinária com a diretoria (no dia anterior) assina contrato de um ano (luva de seis mil cruzeiros, 1,5 mensal, com direito a 100,00 por jogo ganho e a metade por empate).

O segundo jogo: Moto 7 x 2 (domingo, 16). Com "sururu" em campo e quatro expulsos. - Erro de ordem técnica foi um dos motivos da derrota do "esquadrão de aço".

O jornal aponta que o treinador deixou de substituir, ainda no primeiro tempo, um atleta lesionado.
Seis dias depois o amistoso contra o Maranhão Atlético Clube - do famoso acronimo MAC - que anuncia a estreia de outro uruguaio, Luis Comitante. Domingo, 23.

Comitante era treinador do selecionado maranhense (42 e 44), quando fora alçado ao comando do Moto pelo dirigente César Alexandre Aboud. Ambos responsáveis direto pelo heptacampeonato do rubro-negro.

O periodico Associado noticia (sábado, 5/6) que Acosta reclama reforços paraenses para o Sampaio: "Sem jogadores não podemos fazer nada."

Situação revelada antes do amistoso contra o América/PE (4 x 1 –quarta-feira, 9). Revanche 1 x 1 (quarta-feira, 16)

Depois desaparece do noticiário. Reaparece no clube anterior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário