segunda-feira, 9 de março de 2015

Uma personalidade do Cine Canário de Cerro Corá/RN

Filmografia de Inesita Barroso é curta, porém lhe deu premiação em São Paulo, capital

As versões em rede dos grandes jornais, portais, sites e blogs espelhados por este imenso Brasil praticamente exauriram o noticiário sobre o desaparecimento material, aos 90 anos, da cantora paulista Inezita Barroso, porém nem todos discorreram a cerca da curta carreira dela no cinema nacional, principalmente na década de 50 do século XX.
A filmografia é considerada pequena. São apenas nove películas. A primeira delas: ‘Angela’ (1951). Em 1953 participa de ‘O Craque’ e de ‘Destino em Apuros’. No ano seguinte atua em ‘É Proibido Beijar’. Ainda em 1954 é a estrela de ‘Mulher de Verdade’. ‘Carnaval em Lá Maio’ (1955). ‘O Preço da Vitória’ (1956).
Tem uma pausa na carreira durante entre o restante dos anos cinqüenta e durante quase toda a década de 60. Participa então dos dois ultimes filmes: ‘Isto é São Paulo’ (1970) e ‘Desejo Violento’ (1978).
Pela interpretação em ‘Mulher de Verdade’ alcança duas premiações: o Governador do Estado (SP) e o “Saci”. Ambos de melhor atriz. Em 1955, pelo lançamento cinematográfico do ano anterior.
O filme de estréia como coadjuvante tem na direção Tom Payne e Abílio Pereira de Almeida. Produção do italiano Franco Zampari, um dos homens fortes da companhia paulista “Vera Cruz”, a principal rival da carioca “Atlantida”.
No elenco do drama os famosos da época: Eliane Lage, Alberto Ruschel (ficou famoso pelo filme ‘O Cangaceiro’), o galã Mário Sérgio, a atriz negra Ruth de Souza, Xandó Batista, Renato Consorte, Antunes Filho, Nydia Licia, Maria Clara Machado (a escritora), Milton Ribeiro (outro famoso pelos filmes sobre o cangaço nordestino), Carlos Thiré, Luciano Salce, entre outros.
Na comédia “É Proibido...” contracena com Tonia Carrero, Mário Sérgio, Ziembinski (o polaco), Otelo Zeloni, Renato Consorte, Vicente Leporace, Paulo Autran e Célia Biar. Nestes filmes participa, também, cantando.
Somente no quinto filme é a principal atriz que interpreta o principal personagem. Uma enfermeira que se passa por solteira, mas é casada com dois homens. No elenco o compositor e ator Adoniran Barbosa, Paulo Vanzolini (cientista e compositor, autor de “Ronda”) e o comediante Colé. “Mulher de Verdade” lhe dá as referidas premiações.
No penúltimo filme dos anos 50, “Carnaval”, dirigido por Adhemar Gonzaga, contracena com Wálter d’Ávila, Randal Juliano (famoso por apresentar os festivais da Record), Arrelia, Renata Fronzi, Adoniran Barbosa, Blota Júnior (apresentador de televisão), a cantora Carmen Silva, Vicente Leporace, Idalina de Oliveira e Maria Aparecida Baxter, etc.

Muitos destes artistas pontificaram no teatro, cinema, rádio e televisão brasileiros nos anos 50, 60, 70, 80...

Nenhum comentário:

Postar um comentário